Encontro do G20 começa nesta quinta e deve ser marcado por discussões sobre guerra comercial

0
3061

Tensão entre EUA e Irã também deve entrar na pauta; entre os assuntos que afetam o Brasil, estão a mudança climática e o acordo entre União Europeia e Mercosul

Cidade de Osaka, no Japão, será sede de encontro do G20 — Foto: Issei Kato/Reuters

Cidade de Osaka, no Japão, será sede de encontro do G20 — Foto: Issei Kato/Reuters

Esta será a primeira vez em sete meses que os presidentes dos EUA e China, Donald Trump e Xi Jinping, se encontram. A última reunião ocorreu na edição anterior do encontro do G20, em Buenos Aires. Na ocasião, os líderes dos dois países chegaram a acertar uma trégua, mas meses depois as negociações foram interrompidas. Enquanto isso, os desdobramentos da disputa comercial seguem gerando preocupações sobre o impacto na economia global.

Donald Trump dá entrevista a jornalistas na Casa Branca, em Washington, nesta quarta-feira (26) — Foto: Jonathan Ernst/Reuters

Donald Trump dá entrevista a jornalistas na Casa Branca, em Washington, nesta quarta-feira (26) — Foto: Jonathan Ernst/Reuters

O encontro entre Trump e Xi Jinping também acontece em meio a discussões sobre o programa nuclear da Coreia do Norte. O presidente chinês fez uma visita recente à Coreia do Norte, em uma demonstração aos EUA de que a China continua sendo um aliado do regime de Pyongyang. Depois do G20, Trump visitará a Coreia do Sul para abordar a questão do programa nuclear norte-coreano com o presidente Moon Jae-in.

Kim Jong-un e Xi Jinping se cumprimentam no aeroporto de Pyongyang, na Coreia do Norte — Foto: KCNA via Reuters

Kim Jong-un e Xi Jinping se cumprimentam no aeroporto de Pyongyang, na Coreia do Norte — Foto: KCNA via Reuters

Além da guerra comercial, os EUA também estarão sob as atenções dos demais participantes por causa das recentes tensões envolvendo o Irã. Os conflitos envolvendo os dois países já duram décadas, mas nos últimos dias as tensões ganharam força com uma série de ameaças de um conflito armado. Trump chegou a ordenar bombardeios depois de o Irã ter anunciado a derrubada de um drone dos EUA. O presidente americano, no entanto, recuou em cima da hora.

Participação do Brasil

O presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão, durante a transmissão de cargo, na Base Aérea de Brasília — Foto: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro e o vice-presidente Hamilton Mourão, durante a transmissão de cargo, na Base Aérea de Brasília — Foto: Alan Santos/PR

O presidente também deve ter reuniões com o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi; com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman (apontado por relatório da ONU como responsável pela morte do jornalista Jamal Khashoggi); com o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe; e com primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien-Loong.

“Vejo com grande preocupação a questão das ações do presidente brasileiro (em relação ao desmatamento) e, se ela se apresentar, aproveitarei a oportunidade no G20 para ter uma discussão clara com ele”, afirmou.

Chanceler alemã, Angela Merkel — Foto: Hannibal Hanschke/ Reuters

Chanceler alemã, Angela Merkel — Foto: Hannibal Hanschke/ Reuters

Bolsonaro também deve ter uma audiência na sexta-feira com o secretário-geral da OCDE, José Angel Gurría Treviño. O Brasil tenta integrar o grupo, apelidado de “clube dos ricos”, e conta com o apoio dos Estados Unidos. O presidente também deverá participar de um encontro do Grupo de Lima, que pressiona pelo restabelecimento da democracia na Venezuela.

Entre os pontos que ainda precisam ser solucionados, estão as cotas de exportação de produtos como carne e açúcar e, de modo geral, as dúvidas de países como a França, que temem que o acordo de livre comércio prejudique seus agricultores.

O texto também enfrenta a divisão entre países europeus, com países reticentes e outros que desejam um acordo o mais rápido possível, como Alemanha e Espanha.

Japonesas dançam para dar boas vindas a líderes que irão participar do G20 em Osaka — Foto: Jorge Silva/Reuters

Japonesas dançam para dar boas vindas a líderes que irão participar do G20 em Osaka — Foto: Jorge Silva/Reuters