João de Deus corre risco de morrer e ficará isolado em hospital, diz médico

0
337

João de Deus está preso há mais de três meses - Crédito: Reprodução/JN

João de Deus corre risco de ter uma “morte súbita” por hemorragia caso o aneurisma que possui no abdômen se rompa, segundo informou o médico Alberto Las Casas Júnior nesta sexta-feira (22). O cardiologista avaliou o médium há exatamente um mês na prisão, a pedido dos advogados dele, e emitiu um laudo que embasou decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) de transferi-lo da cadeia para um hospital.

Alberto contou que João de Deus ficará em um leito isolado no Instituto de Neurologia de Goiânia. De acordo com o profissional, o quarto já está reservado para o médium.

João de Deus está preso desde o dia 16 de dezembro acusado de crimes sexuais durante atendimentos espirituais. Ele sempre negou as acusações.

A transferência do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, onde o médium está preso, foi determinada pelo ministro Nefi Cordeiro, na quinta-feira (21). Conforme a decisão, João de Deus pode ficar por quatro semanas em um hospital para tratamento, sendo monitorado por tornozeleira eletrônica ou vigiado por escolta policial.

Até a publicação desta reportagem, João de Deus não havia deixado o presídio. Em nota, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou que, até o início da manhã desta sexta-feira, não havia sido notificada da decisão e que, assim que isto ocorrer, será cumprida.

Aneurisma

O médico revelou que examinou João de Deus no último dia 22 de fevereiro. Segundo o cardiologista, o paciente possui um aneurisma na aorta, de 2,5 centímetros, diagnosticado em exames feitos quando o preso deixou a penitenciária no dia 2 de janeiro, ao se sentir mal.

“Ele corre risco de morte súbita por hemorragia caso a parede da aorta se rompa, o que pode ocorrer nessa situação [no presídio], no hospital ou em casa mesmo”, explica.

João de Deus também apresentou pressão alta quando foi avaliado – 18 por 10 -, além de indícios de trombose. Ele deve passar por uma nova bateria de exames tão logo seja internado. A necessidade de uma cirurgia ainda será avaliada.

Fonte: Roma News