Helder Barbalho ignora a promessa de reajuste dos salários de cabos e soldados

0
260

Os militares lutam para equipar o soldo ao salário mínimo

Comandante da PM-PA ainda não conseguir assesgurar a equiparação do soldo dos soldados e cabos – Crédito: Diego Monteiro – Roma News
Nas patentes mais baixas da Polícia Militar do Pará o drama continua, à espera de que o governo estadual
reajuste o soldo dos soldados e cabos da instituição, equiparando ao valor do salário mínimo: R$ 998. O soldo é a remuneração-base dos militares.
 A presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Pará (ACSPMBMPA), a cabo Karla Cristina Matos de Souza, afirma que ainda não há qualquer sinalização do governador Helder Barbalho (MDB) para melhorar o soldo da corporação.
“Ainda não temos nada de concreto”, lamentou. “Estamos aguardando a nossa reunião com o governador para tratarmos desse assunto de suma importância”, afirma.
De acordo com a militar, dirigente da associação, há mais de cinco anos que as categorias estão sem reajustes. Sendo que as perdas já superam os 27%. O soldo deum cabo da Polícia Militar do Pará estacionou em R$ 827, com pouca diferença para o soldo do soldado que é de R$ 811.
O comandante da Polícia Militar do Pará, coronel Dilson Jr. havia informado que deverá ocorrer a equiparação com o salário mínimo até a data-base, em abril, baseado em promessa de campanha de Helder Barbalho. “É um compromisso que ele assumiu”, lembrou o comandante. “Confio que até abril estará tudo certo”, confia ele, que se ressente do total de efetivo na PM, em torno de 16 mil no Estado. A meta é chegar a até 35 mil.
Comando propõe novo formato de ingresso na Polícia Militar do Pará 
O ingresso para oficiais na Polícia Militar do Pará ficará mais restrito, com o intuito de melhorar a qualificação profissional e, principalmente, os salários. O comandante geral, coronel Dilson Júnior, entregou recentemente ao governo do Estado a nova proposta para ingresso na corporação, segundo a qual os candidatos deverão ter obrigatoriamente formação no curso de Direito.
A meta é equiparar os salários dos oficiais aos cargos de bacharéis em Direito, como o de Defensores Públicos. A proposta, acatada pelo governador Helder Barbalho (MDB), será encaminhada em breve à Assembleia Legislativa (Alepa) para aprovação em plenário.
A proposição prevê ainda o aumento do número do fixo efetivo da PM, além do número de coronéis, o último posto dos oficiais. Pela Lei de Organização Básica (LOB), a PM atualmente só pode ter 35 coronéis, mas nos meses de abril e setembro sempre ocorrem promoções, mesmo sem previsões de vagas, e atualmente há 39 coronéis.
O número era maior, mas doze deles pediram reserva em razão da reforma da Previdência, de acordo com informações internas.
Fonte: RomaNews