Família de homem assassinado em Itaituba cobra justiça após caso ‘cair no esquecimento’

0
808

Mãe de Fredson Chaves, morto a tiros em Novembro, clama por justiça; Ninguém foi preso até o momento.

 

A família de Fredson Chaves Barroso, de 31 anos, homem assassinado a tiros em Novembro de 2018 em Itaituba, cobra justiça sobre o caso após quase três meses sem respostas, já que ninguém foi preso até o momento.

A mãe da vítima, Benedita Chaves, disse em entrevista que a família vem sofrendo muito pela falta de respostas das autoridades. “Eu fico muito preocupada com isso, sinto que está parado. O crime foi em via pública, filmado por câmeras de segurança, cadê a tecnologia para identificar a moto e mostrar os assassinos? Pra mim é um descaso total essa situação.” relata a mãe.

Dona Benedita afirma ainda que nunca foi lhe passada nenhuma informação concreta sobre o caso, apenas hipóteses. “Nós não queremos que seja mais um caso a cair no esquecimento, mais um assassino solto vendo o nosso sofrimento. Será que vai ser mais um crime a ficar impune?” questiona

A mãe pede para que quem tenha alguma informação sobre o crime que procure a delegacia ou ligue para a polícia e faça uma denúncia anônima, dessa forma irá ajudar à solucionar o caso mais rapidamente.

Entrarão em contato com o delegado Djalma, responsável pelo caso, mas não obteve êxito.

O CRIME

Fredson Chaves morreu horas após dar entrada no hospital municipal de Itaituba (HMI) vítima de baleamento, crime ocorrido na noite de 6 de Novembro, por volta das 22h00, na travessa treze de maio próximo ao banco do Brasil, no centro da cidade.

De acordo com informações apuradas, dois homens em uma moto abordaram a vítima e dispararam cerca de quatro tiros que acertaram seu rosto, peito e a mão direita. Ele foi socorrido e chegou com vida no hospital, em seguida foi levado para o centro cirúrgico, mas não resistiu e morreu por volta das 00h30.

 

 

Fredson trabalhava em uma empresa de aviação em Itaituba, ele é natural da cidade de Santarém e deixou uma filha de 2 anos.

Fonte: Portal Giro