Cesta básica dos paraenses fecha ano com alta de 7,19%

0
491
Indicador registrou um crescimento quase o dobro da inflação oficial do período, de 3,5% (Foto:Igor Mota / Redação Integrada)

A alimentação básica das famílias paraenses fechou o ano passado com alta de 7,19%, segundo aponta pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos no Pará (Dieese-PA). No mesmo intervalo, a inflação girou em torno de 3,5%, ou seja, quase a metade da alavancada de preços da cesta básica.
Segundo o Dieese-PA, no acumulado do ano passado, as altas mais significativas observadas nos produtos da cesta dos paraenses foram: o tomate, (49,74%), o arroz (21,10%), o leite (15,25%) e o pão francês (6,16%). Também no mesmo período analisado, as quedas mais expressivas ocorreram no seguintes produtos: café (-13,03%), seguido do feijão (-6,10%), do açúcar (-4,75%) e da banana (-4,37%).
No mês passado, das 18 capitais pesquisadas pelo Dieese-PA, São Paulo foi quem apresentou o maior valor da alimentação básica, com um custo de R$ 471,44, seguida do Rio de Janeiro (R$ 466,75) e Porto Alegre-RS (R$ 464,72). Ainda segundo o balanço nacional, no mês passado, Belém ficou entre as doze capitais mais caras do País no que tange ao custo da alimentação básica. Os menores valores médios do custo da cesta básica foram observados em Recife-PE (R$ 340,57), Natal-RN (R$ 341,40) e Salvador-BA (R$ 343,82).

Redação Integrada

Fonte: Folha do Progresso