Acidentes com moto causam prejuízo milionário

0
441

Leitos lotados e R$ 500 mil ao ano são o resultado do tráfego conturbado.

Um acidente envolvendo quatro pessoas em duas motocicletas causou grande engarrafamento no início da manhã desta quinta-feira, no cruzamento das avenidas Independência com Mário Covas, em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém. Era por volta das 7h50 quando duas motos se chocaram no cruzamento das duas vias, que reúnem o maior volume de tráfego da região. Uma das motocicletas teria avançado o sinal e duas mulheres que estavam nas caronas das motos ficaram feridas.

Casos como esses, que se tornaram corriqueiros no trânsito da Grande Belém, impactam fortemente a rede de atendimento e até a economia regional. Em média, aproximadamente 50% dos leitos do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência em 2017 foram ocupados por vítimas de acidentes de trânsito em 2017 – a grande maioria envolvendo motos.

Somente em Belém, segundo a Sesma, em 2017, os acidentes com motociclistas levaram a 269 internações, com custo de R$ 532 mil à saúde pública – seguidos de pedestres, com 105 internações e custo de R$ 198,4 mil. O maior percentual do tipo de acidente de trânsito em Belém, no primeiro semestre de 2018, é entre veículos (colisão entre veículos) com 33,30%, seguido por acidentes de moto, 29,9 % e atropelamentos, com 16,6%.  Em relação às vítimas fatais, o atropelamento tem percentual significativo com 46,67%.

As vítimas fatais desses acidentes estão em sua maioria a pé (46,7%), seguidos por motocicletas (com 40%).  As maiores vítimas são homens, na faixa etária de 30 a 39 anos (33,3%). Chama atenção o alto percentual de idosos (60 anos ou mais) que foram a óbito (4; 26,7%).

As vítimas do acidente da manhã desta quinta em Ananindeua aguardaram por meia hora até a chegada do socorro de uma ambulância do Corpo de Bombeiros, às 8h18. Bombeiros que passavam pelo cruzamento prestaram o primeiro atendimento enquanto a ambulância não chegava. Policiais militares controlavam o fluxo do trânsito no cruzamento, que se normalizou por volta das 8h25.

A mais gravemente ferida foi uma estudante que seguia para a aula na escola estadual Silvia Leandro. Ela foi encaminhada para o Hospital Pronto Socorro (HPSM) Mário Pinotti, na travessa 14 de Março, no Umarizal, em Belém. A reportagem contactou com a assessoria de comunicação da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) para saber o estado de saúde da estudante, mas, até o fechamento desta edição, não obteve informações.

No Brasil, os acidentes de trânsito são a segunda causa de morte entre causas externas. Essas ocorrências têm maiores registros entre os homens jovens, com idades entre 20 a 39 anos. As principais vítimas fatais são os motociclistas, seguidos pelos ocupantes de automóveis e pedestres.

Somente este ano, de janeiro a julho, o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, atendeu a 2.308 pacientes vítimas de acidente de trânsito. Nesse período, foram atendidos 900 pacientes vítimas de acidentes de motocicleta, 919 vítimas de colisão, 386 de atropelamento e 103 de acidentes de bicicleta.

Em 2017, o hospital, que é uma unidade especializada no atendimento de média e alta complexidades em traumas e queimados no Estado, atendeu 4.313 pacientes vítimas de acidentes de trânsito. Foram 1.799 atendimentos a vítimas de acidentes de motocicleta, 1.587 vítimas de colisão, outros 755 atendimentos a pacientes vitimados por atropelamentos e 172 em decorrência de acidente de bicicleta. A maioria dos pacientes vítimas de acidentes de trânsito atendidos na unidade estão na faixa etária entre 18 e 29 anos.

Fonte: ORM