Restaurante pega fogo no Mangal das Garças, em Belém

0
632

Estabelecimento estava lotado, segundo testemunhas. Corpo de Bombeiros está no local.

Clientes e funcionários do restaurante Manjar das Garças foram surpreendidos por um incêndio no estabelecimento, que fica dentro do Parque do Mangal das Garças, ponto turístico no bairro da Cidade Velha em Belém, nesta quarta-feira (29). Segundo testemunhas, o restaurante estava lotado. O Mangal das Garças deve ficar fechado para visitação nesta quinta-feira (30) e sexta (31).

Por volta das 14h, parte do teto, feito de madeira e palha, pegou fogo. Os Bombeiros foram acionados e as chamas já foram controladas.

“Parecia cena de filme. Foi assustador!”, disse Sanderson Alberto Leitão, coordenador do Ministério da Ciência e Tecnologia, em Brasília. Ele almoçava no restaurante na hora do incêndio.

Restaurante pega fogo no Mangal das Garças, em Belém. (Foto: Sanderson Alberto Medeiros Leitão / Arquivo Pessoal)
Não houve feridos, de acordo com a assessoria do parque. As causas do incêndio ainda devem ser investigadas.
A Organização Social Pará 2000, que administra o parque, disse em nota que o restaurante foi evacuado e a brigada de incêndio iniciou o controle das chamas, até a chegada dos bombeiros, que assumiram o controle do combate ao fogo.

A nota informou ainda a administração deu assistência aos animais do parque e que nenhum foi atingido. A OS Pará 2000 também disse que está tomando providências para preservar o acervo do Memorial Amazônico da Navegação, localizado no piso inferior do restaurante.

Em nota o Corpo de Bombeiros disse que o combate inicial foi feito pela brigada de incêndio do Mangal das Garças, que fez uso do sistema de hidrantes e extintores de incêndio, até a chegada da viatura do Corpo de Bombeiros, que após intervenção operacional, controlou o incêndio até a sua extinção completa por volta das 16h.

O Corpo de Bombeiros disse ainda que iniciou o serviço técnico de perícia de incêndio, que se estendeu até as 17h30, e o laudo fica pronto no prazo de 30 dias. O órgão adiantou que não foram encontradas patologias nas construções que pudessem comprometer a estrutura da edificação no tocante a um eventual colapso estrutural.

Fonte: G1 e Correio de Carajás