A BR-163-Poeira atrapalha trânsito e população sofrem com descaso do DNIT na Rodovia Federal no Pará

0
473

Perigo na BR-163 – Poeira na rodovia coloca em risco vida dos motoristas e COMPLICA  a vida dos moradores
Trecho sem asfalto da BR 163 entre Novo Progresso até Moraes Almeida é  palco de “desgraça”; muita poeira e  invisibilidade;  O trecho esta cheio de buracos, a trepidação da buraqueira com a poeira acumulada na estrada, com intenso tráfico de veículos, mostra outra versão catastrófica colocando em risco a vida das pessoas que residem ao longo e a vida dos motoristas.

Motoristas que utilizam a Rodovia Federal BR 163, e também pessoas que residem as margens dessa estrada, estão enfrentando um problema que tem causado diversos transtornos.

Com clamor de quase meio século para a pavimentação da estrada, agora o trecho de pouco mais de 40 km ficou sobre responsabilidade do exercito Brasileiro, porém, a falta de investimento no trecho está levando transtorno para motoristas e as comunidades. “Da estrada de chão surge a poeira provocando nuvens que se espalham e atrapalham o transito e complica a vida dos moradores”. A poeira é tão intensa que diminui a visibilidade dos motoristas, aumentando o risco de acidentes.

Caminhões carregados com soja e milho  que transportam até o porto de Miritituba são os que mais sofrem na rodovia.

“Não sabemos mais o que fazer, a poeira que levanta é muita, entra praticamente todas as residenciais , minha esposa já foi internada duas vezes com problema respiratório, não sabemos mais que fazer”,    sem falar na visibilidade da pista, que fica completamente comprometida”, disse morador proprietário da fazenda Sol Nascente.

Os moradores das margens da rodovia não conseguem viver ali, procuram casa de amigos e parentes na cidade. Há casos que são hospitalizados em Novo Progresso, devido a problemas respiratórios.
Enquanto a falta de obras para por fim ao problema da poeira, o risco dos motoristas é constante , os moradores ameaçam fechar a rodovia, vamos nos unir e pedir uma solução ao contrario vamos fechar rodovia, impossível viver aqui disse o proprietário da fazenda.

Percorremos o trecho nesta semana, a situação muito difícil, a poeira acumula e vem no para brisa, ficamos sem visão, a frente muitos caminhões com nuvens de poeira sem visibilidade, carros e caminhões patinam no pó ,muitos param pelo caminho,outros quebram, no encontro de veículos a visibilidade fica zero,aumentando o risco de acidentes.

A rodovia , por vezes esquecida, carece de infraestrutura básica.

A infraestrutura básica, como acostamento e pavimento, é inexistente. Além de terra batida, os moradores afirmam que não é feito o patrolamento há muito tempo.
A chuva de alguns dias atrás causou buracos na estrada onde os carros passam, que secaram com o sol. Sem manutenção, andar pela estrada exige cuidado e velocidade baixa para não causar danos ao veículo.
O carro da reportagem percorreu a via até  Moraes Almeida , neste trajeto, a trepidação foi tanta que o vidro elétrico do veículo parou de funcionar por alguns minutos, o risco de acidente foi constante.
Já as sinalizações vertical (placas) e horizontal , (pontes) e acostamento não existem. A via tem várias curvas fechadas, porém, não existe qualquer indicativo para tomar cuidado. Também há partes mais estreitas, onde não passam dois veículos pesados, sem qualquer sinalização.
Acostamento é algo longe da realidade da estrada. Nas áreas onde há casas, a via é mais larga e é possível estacionar, contudo, são pontos específicos.

Transporte Escolar

No entanto, outro problema que preocupa os moradores  é o transporte de alunos. O ônibus Escolar não tem ar, a poeira toma conta do veiculo os alunos chegam todos sujos na escola. “O ônibus nem ia vir mais por causa da poeira e dos buracos”, contou moradora a reportagem.

 

 

História antiga

A promessa  pelo asfaltamento do trecho entre os dois municípios é antiga.

Fonte: http://www.folhadoprogresso.com.br/perigo-na-br-163-poeira-atrapalha-transito-e-populacao-sofrem-com-descaso-do-dnit-na-rodovia-federal-no-para/