Belo Monte ganhará polo universitário

0
473

(Foto:usina Belo Monte Divulgação)– O Pará deve ganhar um Polo Universitário oriundo da Vila Residencial que abrigou os trabalhadores na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, em Vitória do Xingu, região oeste do Estado. A empresa Norte Energia, responsável pela obra, já aprovou a implantação da cidade universitária que contará com a estrutura de mais de 2.300 moradias.

A proposta surgiu através da moção parlamentar 381/2017 de autoria do deputado estadual Eraldo Pimenta (MDB) e aprovada por unanimidade pelos parlamentares na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa).

Inicialmente, as residências seriam desativadas e teriam como destino a demolição para dar espaço a uma Área de proteção ambiental (APA). Transformada em Polo Universitário poderá abrigar estudantes da Universidade Federal do Pará (UFPA), Universidade do Estado do Pará (UEPA) e Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA), os maiores centros de ensino superior público do Estado.

A Vila Residencial Belo Monte está estruturada com sistema de água, esgoto, energia elétrica, meio fio, área de lazer, escola, centro comercial, telefone e ruas asfaltadas. A obra segundo engenheiros tem valor estimado em mais de 300 milhões de reais.

Estrutura da Vila Residencial de Belo Monte vista de ângulos diferentes e que agora pode se tornar polo universitário para abrigar estudantes de todo o Pará (Foto: Divulgação)

O autor da moção, deputado Eraldo Pimenta, entregou a proposta ao presidente da Norte Energia, Paulo Roberto, que submeteu à diretoria executiva e ao Conselho da Empresa, sendo aceita e a doação da área efetivada. A assinatura do documento ocorreu no final do mês passado.

Direção da Norte Energia conheceu com detalhes a proposta apresentada pelos deputados Eraldo Pimenta e Martinho Carmona, ambos da Comissão de Representação para Acompanhar os Trabalhos de Implantação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte (Foto: Reprodução)

Os vereadores e o prefeito de Vitória de Xingu, Caetano Oliveira, também foram favoráveis à moção.

“A ideia se originou quando fiz uma visita à vila dos trabalhadores da Barragem Belo Monte, que é na realidade uma cidade toda estruturada, e está pronta para ser transformada em uma “Cidade Universitária”, explicou o parlamentar.

O uso do espaço, na visão do deputado, deverá baratear o custo das despesas de quem pretende cursar ou ver os filhos em uma universidade.

“Só saberá o valor de um projeto de tal grandeza e magnitude, o pai ou a mãe, que não tem condições de pagar um ensino superior ao filho. Pois além de ser uma educação pública de qualidade, aplicada na região, podemos atrair também investimentos em cursos universitários, pois já temos a estrutura pronta. Além disso, essa ação colabora com a permanência do nosso povo na região”, observou Eraldo Pimenta.

O deputado ressaltou ainda o trabalho dos envolvidos nos esforços para que a proposta fosse levada adiante.

“Expresso aqui nossos agradecimentos à diretoria da Norte Energia que recebeu a proposta para analisar, ao ex-ministro Helder Barbalho, por ter me ajudado na articulação com a diretoria da Norte, aos deputados da Comissão e demais deputados que acataram a ideia em uníssono. Agradeço aos prefeitos, vereadores e a toda a equipe que nos ajudou nessa conquista. Se der tudo certo será o maior complexo educacional do país, pois, por seu tamanho e suas proporções, servirá todo o estado do Pará, e quiçá, o Brasil” disse o deputado que completa o discurso apontando de onde poderão sair os recursos para a manutenção do espaço.

“A estrutura pode ser mantida de diversas formas. Poderemos tirar de um percentual da taxa hídrica ou taxa mineral ou Royalties do Estado que gera da hidrelétrica. E não seria tanto pois poderiam fazer economia mista, exemplo: os pais bancariam a alimentação e o corpo docente pago pelo Estado. O que vejo é a estrutura que não tem igual no Pará que poderíamos usá-la para esse fim. Poderá ser a maior estrutura educacional do Brasil, atraindo inclusive alunos de todo o país”, finalizou.

(DOL)