Governador do Pará debate preservação da Amazônia nos Estados Unidos

0
103

Durante dois dias, o governador do Pará, Helder Barbalho, participará da Conferência Internacional sobre Preservação da Amazônia, no dias 17 e 18 de outubro (quinta e sexta-feira) em Nova Jersey, nos Estados Unidos. Único governador brasileiro na conferência, Helder discutirá assuntos relevantes para a Amazônia a partir do tema central: “Salto da Amazônia: visão de longo prazo para proteger a Amazônia para o Brasil e o planeta”.

O evento é realizado na Universidade de Princeton, uma das mais conceituadas no mundo e conhecida pelas áreas de pesquisa e ensino. Da instituição já saíram dois presidentes dos EUA, Woodrow Wilson e James Madison, além de 44 governadores e centenas de legisladores estaduais. A ex-primeira dama, Michele Obama, também estudou em Princeton. Na classificação acadêmica das universidades 2019, Princeton ocupa a 6ª posição. A viagem do governador é toda custeada pela universidade norte-americana.

A Conferência é organizada pela Brazil LAB de Princeton (Estudos Luso-Afro-Brasileiros – uma iniciativa que reúne professores e alunos de Princeton que trabalham no Brasil. É um centro multidisciplinar de pesquisa e ensino que discute também sobre a temática Amazônia), com o Instituto Princeton de Estudos Internacionais e Regionais (um centro de pesquisa e aprendizado sobre culturas mundiais e questões globais) e o Instituto Ambiental de Princeton (que incentiva inovações na pesquisa e nos ensinos interdisciplinares do corpo docente para tratar de questões ambientais urgentes e complexas, incluindo clima e energia, resiliência e sustentabilidade urbana de água e meio ambiente).

O evento reúne cientistas brasileiros, formuladores de políticas, líderes ambientais, inovadores de negócios e empreendedores sociais. De acordo com a instituição organizadora, a conferência representa o início de uma colaboração de longo prazo entre especialistas de Princeton e as partes interessadas no Brasil, que têm trabalhado em conjunto para identificar lições das recentes inovações brasileiras em energia, economia, política de saúde, direitos indígenas e conservação.

Fonte: Agência Estado