Amazônia: Atendimentos médicos a crianças dobram com queimadas

0
660

pelas queimadas na região da Amazônia Legal dobrou em maio e junho deste ano em relação a igual período do ano passado, revelou um estudo da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Segundo o levantamento do Observatório do Clima e Saúde da Fiocruz, foram registrados cerca de 5.000 atendimentos médicos de crianças com até 10 anos de idade em cidades da Amazônia Legal nos meses de maio e junho de 2019, ante cerca de 2.500 casos no ano passado.

“As cidades onde detectamos excesso de internações coincidem com o arco do desmatamento na Amazônia Legal“, disse à Reuters o sanitarista Cristóvão Barcelos, que elaborou a pesquisa, acrescentando que houve aumento nos atendimentos em cerca de 100 das mais de 700 cidades da região.

“A pesquisa mostra que 2% das crianças internadas morreram”, acrescentou.

“Dezenas morreram no SUS, fora aquelas que estão fora do sistema ou que não conseguiram chegar aos hospitais por que o acesso na Amazônia é complicado“.

O levantamento concluiu ainda que o risco de problema respiratório em uma criança que mora perto de um foco de incêndio é 36% maior do que para aquelas que estão longe das queimadas. A busca por assistência ocorreu em cidades próximas a focos de incêndio.

“Os focos começaram em maio e junho e se intensificaram nos meses seguintes“, disse Barcelos.

Como os focos se intensificaram a partir de julho, os números de atendimentos devem ter aumentado, acrescentou o sanitarista, ao frisar que até o fim do ano a Fiocruz pretende fazer uma pesquisa mais abrangente com outras faixas etárias.

O estudo da Fiocruz — que usou como apoio informações do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), da Nasa e de outros órgãos que monitoram o desmatamento —  alerta para o crescimento acelerado do desmatamento e suas consequências para a saúde das pessoas.

“Houve uma sequência que começa no desmatamento, depois veio a queimada e problemas respiratórios. Isso poderia ser evitado com alertas sobre desmatamento. Nunca esse processo foi tão acelerado na Amazônia”, disse Barcelos.

De acordo com dados do monitoramento de focos de incêndio do Inpe, em junho deste ano foram registrados 4.838 focos na Amazônia Legal, quase 1.000 a mais que os 3.846 do mesmo mês no passado.

Segundo a Fiocruz, o aumento nos atendimentos a crianças também teve um custo para o Estado, e o estudo calcula que os gastos com o tratamento médico das crianças com problemas respiratórios assistidas no SUS (Sistema Único de Saúde) foi de 1,5 milhão de reais.